Plant based, nice to meet you. - says capitalism

42619821_1110517232436034_6708998731808636928_o.jpg

Antes de mais queremos fazer-vos uma pergunta: porque acham que a Olá criou o Magnum vegan ou as marcas de queijo falso brotam que nem cogumelos? A Sandra Guimarães do Papacapim sem saber fez das nossas as suas palavras. É difícil escolher apenas um pedaço de tanta coisa tão certa numa entrevista sua dada à Porque Não?
O fim da exploração animal só será possível quando o veganismo parar de focar no consumo, e se unir a outras lutas sociais (…) De acordo com pesquisas, reportagens e movimentos mercadológicos, o veganismo tem crescido, aponta Sandra. Mas é uma versão liberal do veganismo, baseada no consumo. Aqui se comemoram, como se isso fosse indicador da diminuição do sofrimento animal, inaugurações de restaurantes e lançamentos de produtos “veganos” fabricados por multinacionais que continuam explorando os animais (como os sorvetes Ben&Jerry, da Unilever). A lógica é a de que a demanda vai provocar cada vez mais oferta, e que devemos incentivar essas empresas através do consumo de seus produtos. Sandra dnem por um momento considera essa hipótese. Segundo ela, acreditar que o consumo vai promover a libertação animal é desconhecer a lógica do capitalismo, que cria demandas a partir de uma única premissa: a do lucro. “Desconfiem quando a solução do problema for vendida por quem criou o problema. Esse tipo de veganismo hegemônico, baseado no consumo, é elitista. E ineficaz. (…) O capitalismo não vai trazer a libertação animal. Porque o capitalismo e a libertação animal têm interesses conflitantes”. (…)“A Nestlé ter leite vegetal não aumentou a acessibilidade do veganismo para todas as pessoas”. E, para que isso aconteça — pensa Sandra, assim como pensa o MST e uma grande quantidade de pessoas que estuda e pratica a agroecologia e a agricultura sustentável no Brasil — é necessário que haja uma reforma agrária popular. “Deveria ser prioridade número um do movimento vegano estar no campo lutando com eles. A gente só vai ter veganismo popular quando todos tiverem acesso à plantas”.