Amor incondicional e cooperação

 

Se não lerem mais nenhuma palavra deste texto, dediquem 15 minutos do vosso almoço ou entretenham-se enquanto passam a ferro a ver isto.

img_1064.jpg

Amor incondicional e cooperação
A par com viva os eucaliptos, estas foram as palavras mais repetidas por Ernst Gõtsch na conferência a que tivemos o privilégio de assistir esta quarta que passou, na Universidade Católica, para um grupo de 400 caras bonitas, todas elas com a crença de que o futuro parte das nossas mãos e de que o caminho é outro.

Acredito cada vez mais que a mudança depende de nós, de pequenos, médios ou grandes grupos, e não de organismos independentes, impessoais, desconhecidos e suspeitos, sob os quais nos querem fazer crer que o povo é quem mais ordena, só que não. 
Não controlamos nada se não aquilo que pensamos, falamos e fazemos. Tudo o resto parte daí. E tudo o resto poderá então ser alterado partindo do nosso exemplo e da receptividade de quem está do outro lado. 

Ernst-Gotsch-agrofloresta.jpg

Ernst Gõtsch é o Einstein da Agricultura e a Sintropia é a sua teoria. Diria mesmo, filosofia. Sintropia, tal como a relatividade, não foi inventada, é lei, sempre existiu e sempre cá esteve desde o momento em que pequenos átomos se começaram a unir para formar pequenos organismos - não me façam continuar, this is as far as I can go no que diz respeito à biologia. É a sublimação de algo simples para algo complexo. 
E tal como Einstein, Gõtsch sistematizou esta teoria e deu-lhe forma, ao longo de 34 anos, através dos 410 hectares de terra 100% fértil e pujante de alimento, que antes era estéril, seca e sem vida.

Não é normal ouvir palavras como amor incondicional como receita para o futuro da agricultura. Dá um grande nó na cabeça e a muitos cheira a enfabulismos. Mas a verdade é que não pode ser de outra maneira. Tudo o que construímos, receberemos do mesmo em troca. Isso é outra lei. Chama-se karma. 
Again: do simples para o complexo, do amor, para tudo o resto.

E se nós melhorássemos as condições que damos às plantas ao invés de ficar tentando buscar características genéticas nelas que as façam aguentar os nossos maus tratos?
Na sua Fazenda Olhos d'Água, Ernst gera recursos em vez de os explorar, procura compreender a função de cada organismo, substitui conceitos de monocultura e rotação de culturas por um espaço onde todas as culturas coexistem, orquestrando depois uma dança onde tudo trabalha em cooperação, dando aos outros o melhor de si mesmos, em sinergia.

Age como se a máxima de tua ação devesse tornar-se, por tua vontade, lei universal da natureza. 
Immanuel Kant
Ao amor incondicional e cooperação e ao entendimento de que todas as espécies - animais e vegetais - tem a sua função, a agricultura sintrópica aplica o imperativo categórico de Kant ao seu modus operandi, numa sintonia perfeita de três principios absolutamente interdependentes entre si.
 

vlcsnap-2013-10-12-10h46m25s143_800.jpg


Dizer que Gõtsch é um visionário não será o mais correcto, não creio que se possa dizer isso de alguém que simplesmente conseguiu ver aquilo que sempre esteve aqui, aos olhos de todos. Diria antes que é um criativo nato, um designer, um adulto que nunca se esqueceu de brincar, de explorar, um subversivo que abriu novas portas que não podem ser ignoradas nem fechadas à força, por muitos que sejam aqueles a quem não convém que pessoas entrem por ela adentro. 

A sua energia, irreverência, a paixão e segurança com que fala da obra da sua vida e a vontade imensa em querer perpetuar o seu legado é inspiradora e uma lição para a vida.

E se por um dia tentássemos somente viver sobre estes três principios?